Hedging, em finanças, refere-se a tomar uma posição compensatória em um ativo ou investimento, com o intuito de reduzir o risco de preço de uma posição existente. Um hedge, portanto, é uma negociação feita com o propósito de diminuir o risco de movimentos adversos de preços em outro ativo. Normalmente, um hedge consiste em assumir a posição oposta em um título relacionado ou em um título derivado com base no ativo a ser protegido.

Hedging, em finanças, refere-se a tomar uma posição compensatória em um ativo ou investimento, com o intuito de reduzir o risco de preço de uma posição existente. Um hedge, portanto, é uma negociação feita com o propósito de diminuir o risco de movimentos adversos de preços em outro ativo. Normalmente, um hedge consiste em assumir a posição oposta em um título relacionado ou em um título derivado com base no ativo a ser protegido.

Derivativos como Eficazes Estratégias de Hedge

Derivativos podem ser eficazes hedges contra os ativos subjacentes, uma vez que a relação entre os dois é mais ou menos claramente definida. Derivativos são títulos que se movem em correspondência com um ou mais ativos subjacentes. Eles incluem opções, swaps, contratos futuros e contratos a termo. Os ativos subjacentes podem ser ações, títulos, commodities, moedas, índices ou taxas de juros. É possível utilizar derivativos para criar uma estratégia de negociação na qual uma perda em um investimento seja mitigada ou compensada por um ganho em um derivativo comparável.

Principais Aspectos

Para entender melhor o conceito de hedge, é importante considerar os seguintes pontos-chave:

  1. Uma Estratégia de Hedge: Um hedge é uma estratégia que busca limitar a exposição ao risco em ativos financeiros.
  2. Técnicas Populares de Hedge: As técnicas populares de hedge envolvem tomar posições compensatórias em derivativos que correspondem a uma posição existente.
  3. Outros Tipos de Hedges: Além da proteção de riscos financeiros, é possível construir hedges de outras maneiras, como a diversificação. Um exemplo disso seria investir tanto em ações cíclicas quanto em ações contra cíclicas.
  4. Eficiência do Mercado: Além de proteger o investidor de vários tipos de risco, acredita-se que o hedge torne o mercado mais eficiente.

Como Funciona um Hedge

Utilizar um hedge é algo semelhante a contratar uma apólice de seguro. Se você possui uma casa em uma área propensa a inundações, desejará proteger esse ativo contra o risco de enchentes, ou seja, fazer um hedge, contratando um seguro contra inundações. Nesse exemplo, você não pode prevenir uma inundação, mas pode se preparar com antecedência para mitigar os perigos no caso de uma inundação ocorrer.

Há um trade-off entre risco e recompensa inerente ao hedging; embora reduza o risco potencial, também diminui os ganhos potenciais. Em termos simples, o hedge não é gratuito. No caso do exemplo do seguro contra enchentes, os pagamentos mensais se acumulam, e se a inundação nunca ocorrer, o segurado não receberá nenhuma indenização. No entanto, a maioria das pessoas optaria por aceitar essa perda previsível e circunscrita do que perder subitamente o teto sobre suas cabeças.

Hedging no Mundo dos Investimentos

No mundo dos investimentos, o hedge funciona da mesma forma. Investidores e gestores de recursos usam práticas de hedge para reduzir e controlar sua exposição a riscos. Para fazer um hedge apropriadamente no mundo dos investimentos, é necessário utilizar vários instrumentos de maneira estratégica para compensar o risco de movimentos adversos de preços no mercado. A melhor maneira de fazer isso é realizar outro investimento de maneira direcionada e controlada. Claro, as semelhanças com o exemplo do seguro acima são limitadas: no caso do seguro contra enchentes, o segurado seria completamente compensado por sua perda, talvez deduzindo-se uma franquia. No espaço de investimento, o hedge é mais complexo e uma ciência imperfeita.

Um hedge perfeito é aquele que elimina todo o risco em uma posição ou carteira. Em outras palavras, o hedge está 100% inversamente correlacionado ao ativo vulnerável. Isso é mais um ideal do que uma realidade no mundo real, e mesmo o hedge perfeito hipotético não está isento de custos. O risco base refere-se ao risco de que um ativo e um hedge não se movam na direção oposta como esperado. “Base” refere-se à discrepância.

Hedging com Derivativos

Derivativos são contratos financeiros cujo preço depende do valor de algum ativo subjacente. Contratos de futuros, contratos a termo e opções são tipos comuns de contratos derivativos.

A eficácia de um hedge derivativo é expressa em termos de delta, às vezes chamado de hedge ratio. Delta é a quantidade pela qual o preço de um derivativo se move por cada $1 de movimento no preço do ativo subjacente.

A estratégia de hedge específica, bem como a precificação dos instrumentos de hedge, provavelmente dependerá do risco de baixa do ativo subjacente contra o qual o investidor deseja se proteger. Geralmente, quanto maior o risco de baixa, maior o custo do hedge. O risco de baixa tende a aumentar com níveis mais altos de volatilidade e ao longo do tempo; uma opção que expira após um período mais longo e está vinculada a um ativo mais volátil será, portanto, mais cara como meio de hedge.

No exemplo das ações acima, quanto maior o preço de exercício, mais cara será a opção de venda, mas também oferecerá mais proteção de preço. Essas variáveis podem ser ajustadas para criar uma opção menos cara que ofereça menos proteção, ou uma mais cara que ofereça maior proteção. No entanto, em certo ponto, torna-se inábil comprar proteção adicional do ponto de vista da relação custo-eficácia.

Vários tipos de opções e contratos futuros permitem aos investidores se proteger contra movimentos adversos de preços em praticamente qualquer investimento, incluindo ações, títulos, taxas de juros, moedas, commodities e muito mais.

Exemplo de Hedge com Opção de Venda

Uma maneira comum de fazer hedge no mundo dos investimentos é através de opções de venda. As opções de venda dão ao titular o direito, mas não a obrigação, de vender o ativo subjacente a um preço pré-determinado na data de vencimento.

Por exemplo, se Morty compra 100 ações da Empresa A a $10 por ação, ele pode fazer hedge de seu investimento comprando uma opção de venda com um preço de exercício de $8 com vencimento em um ano. Esta opção dá a Morty o direito de vender 100 ações da Empresa A por $8 a qualquer momento no próximo ano.

Vamos supor que ele pague $1 pela opção, ou $100 de prêmio. Se a Empresa A estiver sendo negociada a $12 um ano depois, Morty não exercerá a opção e perderá $100. No entanto, ele não se preocupará muito, porque seu ganho não realizado é de $100 (incluindo o preço da opção). Se a Empresa A estiver sendo negociada a $0, por outro lado, Morty exercerá a opção e venderá suas ações por $8, sofrendo uma perda de $300 ($300 incluindo o preço da opção). Sem a opção, ele correria o risco de perder todo o seu investimento.

Hedging Através da Diversificação

Usar derivativos para fazer hedge em um investimento permite cálculos precisos de risco, mas requer um certo nível de sofisticação e, muitas vezes, uma quantia considerável de capital. No entanto, derivativos não são a única maneira de fazer hedge.

Diversificar estrategicamente uma carteira para reduzir certos riscos também pode ser considerado um hedge, embora seja um pouco mais rudimentar. Por exemplo, Rachel pode investir em uma empresa de bens de luxo com margens crescentes. No entanto, ela pode se preocupar que uma recessão possa eliminar o mercado para o consumo ostensivo. Uma maneira de combater isso seria comprar ações de tabaco ou serviços públicos, que tendem a resistir bem a recessões e pagar dividendos generosos.

Esta estratégia tem suas compensações: se os salários estiverem altos e houver muitos empregos, a empresa de bens de luxo pode prosperar, mas poucos investidores seriam atraídos pelas ações contra cíclicas, que podem cair à medida que o capital flui para lugares mais emocionantes. Também apresenta seus riscos: não há garantia de que a ação da empresa de bens de luxo e o hedge se movam em direções opostas. Ambos podem cair devido a um evento catastrófico, como ocorreu durante a crise financeira, ou por duas razões não relacionadas.

Hedging com Spread

No espaço de índices, quedas moderadas nos preços são bastante comuns e altamente imprevisíveis. Investidores que se concentram nessa área podem estar mais preocupados com quedas moderadas do que com quedas mais severas. Nesses casos, uma estratégia comum de hedge é o spread de venda a descoberto.

Nesse tipo de spread, o investidor do índice compra uma opção de venda com um preço de exercício mais alto. Em seguida, ele vende uma opção de venda com um preço de exercício mais baixo, mas a mesma data de vencimento. Dependendo do comportamento do índice, o investidor tem um grau de proteção de preço igual à diferença entre os dois preços de exercício (menos o custo). Embora isso provavelmente represente uma proteção moderada, muitas vezes é suficiente para cobrir uma breve queda no índice.

Riscos do Hedging

O hedging é uma técnica usada para reduzir o risco, mas é importante ter em mente que quase toda prática de hedging terá suas desvantagens. Em primeiro lugar, como indicado acima, o hedging é imperfeito e não é uma garantia de sucesso futuro, nem garante que todas as perdas serão mitigadas. Em vez disso, os investidores devem pensar no hedging em termos de prós e contras.

Será que os ganhos de uma estratégia de hedging superam os custos adicionais que ela requer? Vale a pena lembrar que um hedge bem-sucedido muitas vezes é projetado apenas para prevenir perdas, então os ganhos por si só podem não ser uma medida suficiente de benefício. Embora muitos fundos de hedge ganhem dinheiro, estratégias de hedging geralmente são empregadas em combinação com estratégias de investimento primárias.

Hedging e o Investidor Cotidiano

Para a maioria dos investidores, o hedging nunca entrará em jogo em suas atividades financeiras. Muitos investidores provavelmente não negociarão contratos de derivativos em nenhum momento. Parte disso se deve ao fato de que investidores com estratégias de longo prazo, como pessoas que economizam para a aposentadoria, tendem a ignorar as flutuações diárias de um determinado ativo. Nesses casos, as flutuações de curto prazo não são críticas porque um investimento provavelmente crescerá com o mercado como um todo.

Para investidores que se enquadram na categoria de comprar e manter, pode parecer que não há motivo para aprender sobre o hedging. Ainda assim, como grandes empresas e fundos de investimento tendem a se envolver em práticas de hedging regularmente, e porque esses investidores podem seguir ou até mesmo estar envolvidos com essas entidades financeiras maiores, é útil entender o que o hedging implica para melhor acompanhar e compreender as ações desses grandes players.

O Que É Hedging Contra Riscos?

O hedging é uma estratégia que tenta limitar os riscos em ativos financeiros. Ele utiliza instrumentos financeiros ou estratégias de mercado para compensar o risco de quaisquer movimentos de preços adversos. Em outras palavras, os investidores fazem hedge de um investimento fazendo uma negociação em outro.

Quais São Alguns Exemplos de Hedging?

A compra de seguros contra perdas de propriedade, o uso de derivativos como opções ou futuros para compensar perdas em ativos de investimento subjacentes, ou a abertura de novas posições de câmbio estrangeiro para limitar perdas decorrentes de flutuações nas moedas existentes, ao mesmo tempo em que mantêm algum potencial de ganho, são exemplos de hedging.

O Hedging É uma Ciência Imperfeita?

No investimento, o hedging é complexo e considerado uma ciência imperfeita. Um hedge perfeito é aquele que elimina todo o risco em uma posição ou portfólio. Em outras palavras, o hedge está 100% correlacionado inversamente ao ativo vulnerável. No entanto, mesmo o hedge perfeito hipotético não está isento de custos.

Conclusão

O hedging é um conceito financeiro importante que permite aos investidores e traders minimizar várias exposições ao risco que enfrentam. Um hedge é efetivamente uma posição oposta ou de compensação que ganhará (ou perderá) valor à medida que a posição principal perde (ou ganha) valor. Um hedge pode, portanto, ser considerado como a compra de uma espécie de apólice de seguro em um investimento ou portfólio. Essas posições de compensação podem ser alcançadas usando ativos intimamente relacionados ou por meio da diversificação. No entanto, o hedge mais comum e eficaz muitas vezes é o uso de derivativos, como contratos de futuros, a termo ou opções.

Atualizado em by Liticoin.com
Registro Rápido

Negociação de moedas, metais, petróleo, criptomoedas, conta demo com $10.000.

92%
Pontuação de Confiança

Ganhe $10.000 Virtuais Ilimitados! Depósito Inicial Não é Necessário.

icon Saiba Mais! icon Saiba Mais!
Pontuação de Confiança
icon Saiba Mais! icon Saiba Mais!
Pontuação de Confiança
icon Saiba Mais! icon Saiba Mais!
Risco de Perda de Capital
Pontuação de Confiança
Hedging, em finanças, refere-se a tomar uma posição compensatória em um ativo ou investimento, com o intuito de reduzir o risco de preço de uma posição existente. Um hedge, portanto, é uma negociação feita com o propósito de diminuir o risco de movimentos adversos de preços em outro ativo. Normalmente, um hedge consiste em assumir a posição oposta em um título relacionado ou em um título derivado com base no ativo a ser protegido.
banner image