No mercado forex, uma ferramenta crucial que fornece aos traders níveis potenciais de suporte e resistência, minimizando riscos, são os pontos de pivô e suas derivações. O uso de pontos de referência, como suporte e resistência, ajuda a determinar o momento certo para entrar no mercado, definir stops e realizar lucros.

No mercado forex, uma ferramenta crucial que fornece aos traders níveis potenciais de suporte e resistência, minimizando riscos, são os pontos de pivô e suas derivações. O uso de pontos de referência, como suporte e resistência, ajuda a determinar o momento certo para entrar no mercado, definir stops e realizar lucros.

No entanto, muitos traders iniciantes tendem a dar demasiada atenção aos indicadores técnicos, como a Convergência e Divergência de Médias Móveis (MACD) e o Índice de Força Relativa (RSI). Embora úteis, esses indicadores não conseguem identificar um ponto que defina o risco. O risco desconhecido pode levar a chamadas de margem, mas o risco calculado melhora significativamente as chances de sucesso a longo prazo.

Neste artigo, argumentaremos por que uma combinação de pontos de pivô e ferramentas técnicas tradicionais é mais poderosa do que as ferramentas técnicas isoladamente, e mostraremos a utilidade dos pontos de pivô no mercado forex.

Pontos de Pivô 101

Um ponto de pivô é usado para refletir uma mudança no sentimento do mercado e para determinar tendências gerais em um intervalo de tempo, como se fossem dobradiças a partir das quais as oscilações de negociação ocorrem, tanto para cima quanto para baixo. Originalmente utilizados por operadores de piso em bolsas de valores e futuros, hoje são mais comumente usados em conjunto com níveis de suporte e resistência para confirmar tendências e minimizar riscos.

Assim como outras formas de análise de linhas de tendência, os pontos de pivô se concentram nas relações importantes entre preços máximos, mínimos e de fechamento entre dias de negociação; ou seja, os preços do dia anterior são usados para calcular o ponto de pivô para o dia de negociação atual. Embora possam ser aplicados a praticamente qualquer instrumento de negociação, os pontos de pivô têm se mostrado excepcionalmente úteis no mercado de câmbio (FX), especialmente ao negociar pares de moedas.

Os mercados de forex são muito líquidos e negociam com volume muito alto, o que reduz o impacto da manipulação de mercado que, de outra forma, poderia prejudicar as projeções de suporte e resistência geradas pelos pontos de pivô.

Níveis de Suporte e Resistência

Enquanto os pontos de pivô são identificados com base em cálculos específicos para ajudar a identificar níveis importantes de suporte e resistência, os próprios níveis de suporte e resistência dependem de posicionamentos mais subjetivos para ajudar a identificar possibilidades de negociação de rompimentos.

As linhas de suporte e resistência são uma construção teórica usada para explicar a aparente falta de vontade dos traders de levar o preço de um ativo além de determinados pontos. Se a negociação de touros parece subir até um nível consistente antes de parar e retrair/reverter, diz-se que encontrou resistência. Se a negociação de ursos parece atingir um limite a um determinado ponto de preço antes de subir consistentemente novamente, diz-se que encontrou suporte. Os traders procuram preços para romper os níveis de suporte/resistência identificados como sinal de desenvolvimento de novas tendências e uma chance de obter lucros rápidos. Muitas estratégias de negociação dependem de linhas de suporte e resistência.

Cálculo de Pontos de Pivô

Existem várias fórmulas derivadas que ajudam a avaliar pontos de pivô de suporte e resistência entre moedas em um par de forex. Esses valores podem ser rastreados ao longo do tempo para julgar a probabilidade de os preços ultrapassarem determinados níveis. O cálculo começa com os preços do dia anterior:

Ponto de Pivô para o Dia Atual = Alto (dia anterior) + Baixo (dia anterior) + Fechamento (dia anterior) / 3

O ponto de pivô pode então ser usado para calcular o suporte estimado e a resistência para o dia de negociação atual.

Resistência 1 = (2 x Ponto de Pivô) – Baixo (período anterior) Suporte 1 = (2 x Ponto de Pivô) – Alto (período anterior) Resistência 2 = (Ponto de Pivô – Suporte 1) + Resistência 1 Suporte 2 = Ponto de Pivô – (Resistência 1 – Suporte 1) Resistência 3 = (Ponto de Pivô – Suporte 2) + Resistência 2 Suporte 3 = Ponto de Pivô – (Resistência 2 – Suporte 2)

Para obter uma compreensão completa de como os pontos de pivô podem funcionar, compile estatísticas para o par EUR/USD sobre o quão distante cada máxima e mínima têm estado de cada nível de resistência calculado (R1, R2, R3) e nível de suporte (S1, S2, S3).

Para fazer o cálculo por conta própria:

  1. Calcule os pontos de pivô, níveis de suporte e níveis de resistência para x número de dias.
  2. Subtraia os pontos de pivô de suporte da mínima real do dia (Baixo – S1, Baixo – S2, Baixo – S3).
  3. Subtraia os pontos de pivô de resistência da máxima real do dia (Alto – R1, Alto – R2, Alto – R3).
  4. Calcule a média de cada diferença.

Os resultados desde a introdução do euro (1º de janeiro de 1999, com o primeiro dia de negociação em 4 de janeiro de 1999):

  • A mínima real está, em média, 1 pip abaixo de Suporte 1.
  • A máxima real está, em média, 1 pip abaixo de Resistência 1.
  • A mínima real está, em média, 53 pips acima de Suporte 2.
  • A máxima real está, em média, 53 pips abaixo de Resistência 2.
  • A mínima real está, em média, 158 pips acima de Suporte 3.
  • A máxima real está, em média, 159 pips abaixo de Resistência 3.

Avaliação de Probabilidades

As estatísticas indicam que os pontos de pivô calculados de S1 e R1 são um indicativo decente da máxima e mínima real do dia de negociação.

Indo mais longe, calculamos o número de dias em que a mínima foi menor do que cada um dos níveis de suporte S1, S2 e S3 e o número de dias em que a máxima foi maior do que cada um dos níveis de resistência R1, R2 e R3.

O resultado: houve 2.026 dias de negociação desde a introdução do euro até 12 de outubro de 2006.

  • A mínima real foi inferior a S1 em 892 ocasiões, ou 44% do tempo.
  • A máxima real foi superior a R1 em 853 ocasiões, ou 42% do tempo.
  • A mínima real foi inferior a S2 em 342 ocasiões, ou 17% do tempo.
  • A máxima real foi superior a R2 em 354 ocasiões, ou 17% do tempo.
  • A mínima real foi inferior a S3 em 63 ocasiões, ou 3% do tempo.
  • A máxima real foi superior a R3 em 52 ocasiões, ou 3% do tempo.

Essas informações são úteis para um trader; se você sabe que o par geralmente fica abaixo de S1 44% do tempo, pode colocar um stop abaixo de S1 com confiança, sabendo que a probabilidade está a seu favor. Além disso, você pode querer realizar lucros um pouco abaixo de R1, porque você sabe que a máxima do dia excede R1 apenas 42% do tempo. Novamente, as probabilidades estão a seu favor.

No entanto, é importante entender que essas são probabilidades e não certezas. Em média, a máxima está a 1 pip abaixo de R1 e supera R1 42% do tempo. Isso não significa que a máxima superará R1 quatro dias a cada 10, nem que a máxima sempre estará a 1 pip abaixo de R1.

O poder dessas informações está no fato de você poder avaliar com confiança o suporte e a resistência potenciais com antecedência, ter pontos de referência para colocar stops e limites e, o mais importante, limitar o risco enquanto se coloca em uma posição de obter lucro.

Aplicando as Informações

O ponto de pivô e suas derivações representam suporte e resistência potenciais. Os exemplos a seguir mostram uma configuração usando um ponto de pivô em conjunto com o popular oscilador RSI.

Divergência de RSI em Resistência/Support de Pivô

Essa é tipicamente uma negociação de alta recompensa e baixo risco. O risco é bem definido devido à máxima (ou mínima para uma compra) recente.

No mercado forex, uma ferramenta crucial que fornece aos traders níveis potenciais de suporte e resistência, minimizando riscos, são os pontos de pivô e suas derivações. O uso de pontos de referência, como suporte e resistência, ajuda a determinar o momento certo para entrar no mercado, definir stops e realizar lucros.

As informações fornecidas são ilustradas nos exemplos acima, que são calculados usando dados semanais. O exemplo anterior mostra que de 16 a 17 de agosto, R1 atuou como uma resistência sólida (primeiro círculo) em 1.2854, e a divergência de RSI sugeriu que o potencial de alta estava limitado. Isso sugere que existe uma oportunidade de vender em caso de queda abaixo de R1, com uma parada na máxima recente e um limite no ponto de pivô, que agora é o nível de suporte:

  • Vender a descoberto a 1.2853.
  • Parar na máxima recente em 1.2885.
  • Limite no ponto de pivô em 1.2784.

Essa primeira negociação resultou em um lucro de 69 pips com 32 pips de risco. A relação risco/recompensa foi de 2,16.

Na semana seguinte, ocorreu praticamente a mesma configuração. A semana começou com uma alta em R1 a 1.2908, que também foi acompanhada por divergência de baixa. O sinal de venda é gerado na queda de volta abaixo de R1, momento em que podemos vender a descoberto com uma parada na máxima recente e um limite no ponto de pivô (que agora é o suporte):

  • Vender a descoberto a 1.2907.
  • Parar na máxima recente a 1.2939.
  • Limite no ponto de pivô a 1.2802.

Essa negociação resultou em um lucro de 105 pips com apenas 32 pips de risco. A relação risco/recompensa foi de 3,28.

Regras para Configuração

Para traders que têm uma visão de baixa e fazem vendas a descoberto no mercado, a abordagem para definir pontos de pivô é diferente daquela para traders otimistas e comprados.

Para as vendas a descoberto:

  1. Identifique a divergência de baixa no ponto de pivô, seja R1, R2 ou R3 (mais comum em R1).
  2. Quando o preço cair abaixo do ponto de referência (pode ser o ponto de pivô, R1, R2 ou R3), inicie uma posição de venda a descoberto com uma parada na máxima recente.
  3. Coloque uma ordem de limite (realize lucro) no próximo nível. Se você vendeu em R2, seu primeiro alvo seria R1. Nesse caso, a antiga resistência se torna suporte e vice-versa.

Para as compras:

  1. Identifique a divergência de alta no ponto de pivô, seja S1, S2 ou S3 (mais comum em S1).
  2. Quando o preço subir de volta acima do ponto de referência (pode ser o ponto de pivô, S1, S2 ou S3), inicie uma posição comprada com uma parada na mínima recente.
  3. Coloque uma ordem de limite (realize lucro) no próximo nível (se você comprou em S2, seu primeiro alvo seria S1… o antigo suporte se torna resistência e vice-versa).

Conclusão

Os pontos de pivô e suas derivadas são uma ferramenta valiosa para os traders de forex. Eles ajudam a identificar pontos-chave de suporte e resistência, o que é fundamental para tomar decisões de entrada, definir níveis de stop e realizar lucros no mercado de câmbio. Embora indicadores técnicos como o MACD e o RSI tenham seu valor, eles por si só não fornecem uma medida clara de risco.

Os pontos de pivô, quando combinados com esses indicadores, oferecem uma abordagem mais abrangente e poderosa para a análise e o gerenciamento de riscos no forex. É importante lembrar que essas ferramentas são probabilísticas, mas fornecem aos traders referências sólidas para tomar decisões informadas. Portanto, ao utilizar pontos de pivô em conjunto com outras ferramentas técnicas, os traders podem melhorar suas chances de sucesso a longo prazo nos mercados de câmbio.

Atualizado em by Liticoin.com
Registro Rápido

Negociação de moedas, metais, petróleo, criptomoedas, conta demo com $10.000.

92%
Pontuação de Confiança

Ganhe $10.000 Virtuais Ilimitados! Depósito Inicial Não é Necessário.

icon Saiba Mais! icon Saiba Mais!
Pontuação de Confiança
icon Saiba Mais! icon Saiba Mais!
Pontuação de Confiança
icon Saiba Mais! icon Saiba Mais!
Risco de Perda de Capital
Pontuação de Confiança
No mercado forex, uma ferramenta crucial que fornece aos traders níveis potenciais de suporte e resistência, minimizando riscos, são os pontos de pivô e suas derivações. O uso de pontos de referência, como suporte e resistência, ajuda a determinar o momento certo para entrar no mercado, definir stops e realizar lucros.
banner image