O Telescópio Gigante de Magalhães (GMT) inicia o processo de quatro anos de fabricação e polimento de seu sétimo e último espelho primário. Este espelho é o último necessário para completar a superfície de coleta de luz de 368 metros quadrados do telescópio, que é a maior e mais desafiadora óptica já produzida no mundo.

O Telescópio Gigante de Magalhães (GMT) inicia o processo de quatro anos de fabricação e polimento de seu sétimo e último espelho primário. Este espelho é o último necessário para completar a superfície de coleta de luz de 368 metros quadrados do telescópio, que é a maior e mais desafiadora óptica já produzida no mundo.

Com o poder coletivo de todos os espelhos, o telescópio será capaz de recolher mais luz do que qualquer outro telescópio existente. Esta descoberta permitirá à humanidade desvendar os mistérios do Universo, fornecendo análises químicas detalhadas de objetos celestes e suas origens.

O GMT consistirá de sete espelhos enormes, cada um com 8,4 metros de diâmetro, dispostos em um padrão semelhante a uma flor. A fabricação do espelho final, que será a peça central do telescópio, começou recentemente no Richard F. Caris Mirror Lab da Universidade do Arizona.

Um forno giratório único localizado sob as arquibancadas do Arizona Wildcats Football Stadium começou a aquecer quase 20 toneladas do mais puro vidro óptico a 1.165 graus Celsius (2.130 graus Fahrenheit). Isso fez com que ele derretesse e fosse forçado para fora, formando a superfície parabolóide curva do espelho.

O espelho será agora deixado esfriar durante os próximos três meses antes de passar para a fase de polimento para um acabamento astronomicamente preciso.

Depois disso, o segmento do espelho viajará de barco até ao Chile para se juntar aos seus seis homólogos, formando o espelho primário do telescópio.

Com uma sensibilidade 50 milhões de vezes maior que a do olho humano, o telescópio de 25,4 metros promete fornecer informações que antes eram consideradas fora do alcance. Uma vez montados, todos os sete espelhos funcionarão juntos como uma única superfície coletora de luz com 25,4 metros de diâmetro. Esta configuração resultará em até 200 vezes a sensibilidade e quatro vezes a resolução de imagem dos telescópios espaciais mais avançados da atualidade.

“A combinação de poder de captação de luz, eficiência e resolução de imagem nos permitirá fazer novas descobertas em todos os campos da astronomia,” compartilha Rebecca Bernstein, cientista-chefe do Telescópio Gigante de Magalhães, em um comunicado. “Teremos uma combinação única de capacidades para estudar planetas com alta resolução espacial e espectral, sendo que ambas são fundamentais para determinar se um planeta tem uma composição rochosa como a nossa Terra, se contém água líquida e se a sua atmosfera contém a água certa. combinação de moléculas para indicar a presença de vida.”

O telescópio irá descobrir os mistérios cósmicos da matéria escura, investigar as origens dos elementos químicos e verificar pela primeira vez sinais de vida em planetas distantes. Espera-se que veja a primeira luz até o final da década.

Atualizado em by Michele Buresh
Registro Rápido

Olymp Trade oferece Forex e negociação por tempo fixo. Conta Demo com $10.000 em fundos virtuais.

100%
Pontuação de Confiança

Ganhe $10.000 Virtuais Ilimitados! Depósito Inicial Não é Necessário.

icon Saiba Mais! icon Saiba Mais!
Pontuação de Confiança
icon Saiba Mais! icon Saiba Mais!
Pontuação de Confiança
icon Saiba Mais! icon Saiba Mais!
Risco de Perda de Capital
Pontuação de Confiança
O Telescópio Gigante de Magalhães (GMT) inicia o processo de quatro anos de fabricação e polimento de seu sétimo e último espelho primário. Este espelho é o último necessário para completar a superfície de coleta de luz de 368 metros quadrados do telescópio, que é a maior e mais desafiadora óptica já produzida no mundo.
banner image